terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Personalidades caxienses

Quem mora em Caxias  do Sul conhece estas pessoas, algumas fazem anos que são vistas nas ruas de nossa cidade pedindo dinheiro em tempo integral, outras são vistas sazonalmente e ainda tem figuras novas que aparecem repentinamente e desaparecem, além de ouvirmos muitas histórias de todos.
Fonte: arquivo pessoal.
Este Senhor é uma das figuras mais emblemáticas de Caxias do Sul, ele fica o tempo todo  balançando-se com sua caixinha de dinheiro, este senhor faz uns 10 anos pelo menos que o vejo nas ruas centrais, sempre da mesma maneira.

Certa vez enquanto aguardava na fila da lotérica, ele sentado neste mesmo lugar largou um alto e sonoro pum, todos na fila começaram a rir, e ele nem ficou vermelho, deu uma risadinha e continuou o seu vai e vem como se estivesse sozinho em plena área central.
Fonte: arquivo pessoal.
Deste não me recordo, acho que foi a primeira vez que o vi no centro pedindo esmola, nesta época de Natal aparecem novos pedintes para tentar melhorar seu final de ano, estava na Júlio com a Visconde, pedia uns trocados praticamente choramingando.
Fonte: arquivo pessoal.
O Senhor desta foto é deficiente visual, esta sempre nesta posição, paradinho aguardando uma boa alma dar-lhe alguns trocados, sempre esta após a Praça Dante em direção ao Bairro Lourdes, dos pedintes caxienses este é o que mais me identifico, acho que é devido a sua aparente simplicidade e discrição.
Fonte: arquivo pessoal.
A mulher da foto acima é a que mais me intriga, ela fica nesta posição para parecer deficiente dizem algumas pessoas, outras dizem que ela é cigana e tem os dentes forrados com ouro, o que é mito ou verdade não sei, mas ela faz parte também das Personalidades caxienses.

A cidade tem mais algumas pessoas que integram este grupo que não localizei no dia, como um senhor que não tem uma das penas e usa um bigodinho, ele sempre esta na Júlio com uma camisa branca meio surrada e uma calça social marrom.

Na Júlio com a Montaury tem um outro Senhor que agora tem uma cadeira de rodas, este eu me lembro dele da minha infância, quando meu avô dava moedinhas para ele, na época ele arrastava-se pelas ruas centrais da cidade, certa vez vi ele tomando uma cervejinha numa lancheria ao final de um dia desgastante.

E o vendedor de bilhetes da Mega Sena e raspadinha ?? Com certeza praticamente todos já foram abordados por este homem no centro, ele sempre esta com uns joguinhos prontos para te vender, já ouvi dizer que uma mulher ganhou R$ 10.000,00 com uma raspadinha dele, será que ele é pé quente mesmo ??

Um figurante interessante era um rapaz que sempre estava nas paradas de ônibus juntando as bitucas de cigarro que as pessoas jogavam ainda acessas no chão, ele já tinha os olhos treinados, caia uma bituquinha ele ia correndo juntar e dar uns pegas..

As nossas personalidades devem agradecer muito aos idosos que residem na cidade, pois os jovens ignoram estas pessoas e não dão um centavo, é difícil ver algum jovem dando algum trocado para essas pessoas, eu mesmo nunca dei dinheiro.

Eu sigo a seguinte Filosofia, se queres um pão, um leite, qualquer comida, sem problemas, mas dinheiro não dou, é que nós mais jovens nascemos com esta cultura, assim como a maioria de nossos pais, já nossos avós tem o coração mole e sempre que podem dão uns trocadinhos.

O que leva uma pessoa a se expor desta maneira ?? Sinceramente, não sei, acredito que deve ser a necessidade, mas qual necessidade ?? De alimentos ?? De bens materiais ?? Só eles podem responder estas perguntas.

Um comentário:

  1. João...

    O Senhor da primeira foto, eu lembro desde quando eu era criança lá na metade dos anos 80...

    O rapaz da terceira foto eu lembro dele a uns 10 anos mesmo...

    Tem ainda o velho da casquinha, lembro dele quando eu tinha 5, 6 anos de idade e ia com minha mãe e vizinhos ao antigo Palermo, nas picinas, e o velho da casquinha estava lá. Ainda hj ele faz ponto em frente aos colégios do centro.

    Minha teoria sobre esse negocio do coração mole dos mais velhos é a seguinte.

    Eles, os mais velhos, são pessoas muito mais ligadas a religião que nós, os mais jovens, desta forma eles foram muito, mas muito doutrinados naquele negocio de amor ao proximo, de ajudar aos necessitados, de que, quem dá aos pobres da a Deus... Nós por outro lado somos mais práticos, ate podemos ter este sentimento de ajuda ao próximo herdado de nossos pais ou das aulas de catequese, porem nossa praticidade, nosso senso critico nos manda não dar dinheiro e sim dar comida, dar agasalhos... Bom, é uma teoria..

    Abs!!!!!!!!

    ResponderExcluir